Canal Poheresia

Loading...

Translate

terça-feira, 27 de julho de 2010

Quadrilha de um só (A Bruxa e eu)

Eu matei José
Atirei-lhe uma pedra no focinho
Bebi conhaque paraguaio
No meio do caminho

Torto, torto, torto.

Raimundo também foi morto
Não acharam rima ou solução no corpo
Não fui eu, foi a bruxa
Sem sentimento nas mãos
E todo o vazio do mundo.

Esquartejamos juntos o elefante
Da criança de qualquer tempo
Rasgamos o vestido de outra mãe
Com ela dentro.

Vã não é a luta
É a procura ditada pela recusa
Não dói, minha bruxa
minha musa.

Largue-me por aí sem pilha
Esta quadrilha de um só
O impossível é ruim
O possível, pior.