Canal Poheresia

Loading...

Translate

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Cara

por não saber quando brincam
e quando falam sério
faço sempre a mesma cara de M
M de mistério

Fluxo

o lado de dentro das coxas carrega rios que correm soltos

a correnteza leva mergulhos imprevistos e afogamentos programados pra dentro de si

o redemoinho suga poças desnorteadas 

tudo transborda no cuspe de uma catarata culpante

As letras do amor

O amor tem dessas coisas.
Dessas, daquelas e d'outras.
Tem um Q 
de dia D,
de bomba H 
do ponto G.

A perfeição da coisa imperfeita

O poeta tem um poema na cabeça,
mas o papel está longe
e a caneta, também.

Entre o papel e a caneta,
o poema é a única coisa imperfeita que vem.

Amigo comigo

Às seis 
acordo
de acordo
com o modo.

No bar da cama
discuto comigo
o mesmo cara
o velho amigo.

Me balanço
me agito
falo alto
grito.

Dormir pra quê?
Sem sono
o papo flui
e como!

Diferenças

Às vezes o poeta fala um poema
E o poema não diz o que o poeta fala
O público espera o grande momento
E o poema nada
nada
nada
até terra firme
Agora rime tua salvação
Mas o poeta ainda fala
e o poema não

Antes da hora

Com quantas punhetas
se bate o orgasmo alheio?
Perde o jogo do tesão
quem gozar sua conclusão primeiro.

A Poesia dos nossos poemas


sábado, 21 de junho de 2014

O que a gente faz

o que a gente faz sozinho
a gente faz até ganhar o costume
o que a gente faz a dois
a gente faz até ficar bonito
o que a gente faz a três
a gente faz até chocar os outros
o que a gente faz a quatro
a gente faz até ganhar confiança
o que a gente faz a cinco
a gente faz até virar quadro

e eu pinto