Canal Poheresia

Loading...

Translate

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Mulher Patrimônio Público

se é de todo mundo
não é de ninguém
se não é de ninguém
todo mundo zoa junto
se todo mundo zoa junto
qual o problema que tem?
picham
quebram
vandalizam
a sujeira alguém limpa
o lixo alguém recolhe
Mulher banquete
compartilhada entre 33 cristos despregados
este é teu corpo devorado por nós
esta é tua dor calada sem voz
se a desculpa de tudo é um nada
se a desculpa do cego é a bengala
se a desculpa do preto é a senzala
se a desculpa já nasce vitimizada
a desculpa
que me desculpe
jamais será desculpada

A lista

poetas que não figuram na lista dos melhores
eu vos digo
parem com a porra da viadagem
- viadagem que nada tem a ver com sexualidade -
parem com a porra da viadagem
importem-se com o que importa de verdade
toda lista está no papel que rasga
no arquivo que apaga
na memória que esquece
quando a mágoa lembra
a alma empobrece
o melhor da festa
é quando ela melhora
e tem hora
que o melhor da festa
é do lado de fora

12 de maio de 2016

acordei vigiado na véspera do meu aniversário
a janela e a televisão me observavam
o rádio e o telefone me ouviam
saí da cama olhando cautelosamente onde pisava
quase tomei banho com a escova de dente
quase escovei os dentes com o sabonete
o circuito de segurança gravava o último farelo de pão do meu café da manhã
as ruas tinham outro roteiro
os sinais de trânsito alternavam entre o amarelo e o vermelho
as esquinas iam pra lugar nenhum
as pessoas tais quais as palavras eram poucas
as pessoas tais quais as palavras não diziam muito
braços e pernas a todo vapor
cabeças estacionadas
minha casa não estava mais no mesmo lugar
dormi de olhos abertos
o galo cantou seu canto de despertar
era meu aniversário
soprei a vela
meus olhos estavam acessos
as veias, pra fora
meu fôlego tinha sede
o coração dos que vivem
a alma dos que não morrem
a voz dos que estão presentes
sou poeta
por poeta ser
sou marginal
fui ainda mais marginalizado
pelo panorama atual
todo golpe gera um contra-golpe
o meu quem diria
é despertar a cada aniversário
e aniversariar todo dia

Ao lado do restaurante popular comem travestis

ao lado do restaurante popular comem travestis
a políticos e empresários convêm
moradores de rua e usuários de crack são mais de cem
e lobisomens e zumbis e gnomos e anões
e ETs e dinossauros e cavalos e dragões
e mais alguém
você passa você olha
você é quem?
a linha do trem
o vai-e-vem
você é quem?
quem come a travesti tem
o que a travesti tem também
você é quem?
acham que estão comendo a She-ra
mas estão comendo o He-man
você é quem?
você passa
você repassa
você paga
paga pra ver
paga pra tocar
paga pra pegar
paga pra comer
paga pra bater
paga pra matar
você olha
não aguenta só espiar
você olha de novo
você encara
escancara a gula
encara a cara do cara da cara de cara com a cara tua
você olha
não consegue ficar sem
você é quem?

Corrida

eu corro a corrida dos que têm pressa
a perfeição é freio que não interessa
o trajeto tem traçado inseguro
a vitória não significa nada
muitas ideias batem no muro
logo depois da largada
todos vamos ao pote com sede
alguns não passam da parede
há quem não tenha ânsia
que mofe parado no pit stop
e abasteça sua arrogância
sua arrogância escrota e esnobe
eu corro a corrida de visão turva
tem gente que fica na primeira curva
eles são o que somos
é grande a lista
estão debaixo dos escombros
fora da pista
a bandeirada não dá troféu
o limite é o céu
não tem zero a zero
goste ou não goste
lá na frente eu espero
quem não bater no poste

domingo, 13 de março de 2016

Protesto

depois não adianta chorar
Sr e Sra Intervenção Militar
depois não adianta chorar
o choro que ninguém vai escutar
podem protestar
se o protesto de vocês é pacífico
o nosso é atlântico, em alto mar
e alto lá, mermão
não nos confunda com o Garotão da Intervenção
e seu abadá da militarização
nem com a Família Rabecão
pedindo mais repressão

podem protestar
protestem antes que todo e qualquer protesto
seja trancafiado no porão
onde tortura não é nome de torta
onde pau-de-arara não é nome de passarinho
onde doi-codi é bem mais
que a senha do wi-fi do seu vizinho

podem protestar
digam que é intervenção e não implantação
talvez seja loucura minha
me lembra muito aquele papo
de prometer botar só a cabecinha
e uma vez lá dentro, Fera,
já foi, já era

domingo, 21 de fevereiro de 2016

O outro lado do show dos Stones (texto e link para fotos)

A semana do show dos Stones no Rio começou com coragem. A coragem de entrar em contato com Jamari França, crítico de Rock que muito considero, pra ver se ele tinha alguma informação sobre a chegada da banda. "Eles tocam terça no Uruguai. Então, chegam aqui quarta ou quinta", disse. Apostei na quinta. Chegaram na quarta. Eles, de jatinho particular (ou algo do tipo), vindos do Uruguai, desembarcaram na base aérea do Galeão e foram direto pro Copacabana Palace. Eu, vindo de Volta Redonda, pela viação Cidade do Aço, desembarquei na Rodoviária Novo Rio e fui direto pra casa da minha mãe. Quase a mesma coisa.
___________________________

Na quinta, fui pra frente do Copacabana Palace. Plantei igual árvore. Nem tanto. Dei uma caminhada pelo local. Ao lado de alguns paparazzi, vi Ron Wood, na sacada do famoso hotel, tirando umas selfies com o atlântico ao fundo. Coisa chata, né?
___________________________

Ainda ao lado dos paparazzi, meu celular tocou. Atendi. Câmera na mão esquerda e celular na direita. Enquanto eu falava com minha esposa, Keith Richards apareceu e desapareceu na mesma velocidade. Só deixou a imagem daqueles cabelos brancos com uma faixa preta ao redor impregnada na minha memória. Uma mulher também apareceu. "Deve ser a babá", disseram. "Babá?", pensei. Era Patti Hansen, mulher de Richards. No mais, reportagens com fãs, fotos, amizades e informações sobre a banda pros próximos dias.
___________________________

Na sexta, retornei. Plantei de novo igual árvore na frente do Copacabana Palace. Entretanto, a árvore aqui começou a ficar preocupada até as raízes com as nuvens negras que foram tomando conta de Copacabana. Quando a chuva chegou, ainda insisti por algum tempo. Permaneci no lugar protegendo a câmera das gotas que pareciam cair insistentemente nela. Meu esforço foi recompensado. Darryl Jones, baixista dos Stones, apareceu na porta do hotel. Recebeu um pequeno grupo de pessoas (conhecidos dele, provavelmente). Foram todos pra dentro. Eu fui pra marquise mais próxima. Caiu um temporal daqueles. Quando diminuiu, fui embora. Amanhã teria mais. Amanhã teria Maracanã. Amanhã teria show.
___________________________

Sábado chegou. Maracanã. 16:30. Um sol pra cada um. Filas e filas e filas. Não eram grandes. Não eram desorganizadas. Mas eram filas. Filas com aqueles currais, sabe?
___________________________

Estava cedo. E desce cedo caminhei pelo estádio. Não estar vestido com uma camisa dos Stones e ter a câmera na mão afastaram vendedores e cambistas. Ali era o fotógrafo e não o fã. Na verdade, era os dois.
___________________________

Corre-corre daqui, corre-corre dali. Era a repressão policial com os ambulantes. Estranho. Uns podiam, outros tinham que correr. A chuva (sim, choveu e choveu muito!) deu um tempo nos excessos. Muitos dos ambulantes correram pra vender suas mercadorias na saída do metrô (capas de chuva, por exemplo). Todos viram. A polícia viu. Mas chovia, né? Não saíram do lugar.
___________________________

Antes da chuva, porém, a banda Beach Combers tocou embaixo da rampa que liga a saída do metrô ao estádio (onde, minutos mais tarde, muita gente, inclusive eu, se protegeria da chuva). Uma galera foi se juntando, curtindo. Um carrinho de golf parou perto de mim. Desce Bernard Fowler, um dos backing vocals dos Stones. Juntou-se aos mortais, sacou o celular do bolso e fotografou o Beach Combers em ação. Retirou-se sem alarde. Tolinho. Eu o reconheci. Avisei a banda quem esteve tirando fotos deles. Ficaram pasmos.
___________________________

Peguei meu celular, tirei uma foto do Beach Combers e tuitei o seguinte: "@bernardfowler took some pics of Beach Combers' Band. This one:" e postei a foto. O cara curtiu! Sim, Bernard Fowler curtiu meu tweet! Era ele mesmo!
___________________________

Depois do temporal, retornei com minhas caminhadas pelo Maracanã. Já era noite. Reencontrei um rapaz que conheci lá no Copacabana Palace. Puto! Estava indo embora. Pelo que entendi, ele tinha ganhado uma promoção feita pela banda Doctor Pheabes (uma das bandas de abertura). Era um ingresso pro show dos Stones. Pois bem. O ingresso era falso. Coitado. Despediu-se de mim jurando entrar na justiça contra a banda.
___________________________

Além dele, revi amigos como o querido casal Alexandre e Mayma e ainda flagrei Gustavo Kuerten perdido, chegando em cima da hora, sem saber por onde entrar.
___________________________

Quando o show começou, lá estava eu do lado de fora do estádio. Eu e muitos outros, tão duros quanto. Todos curtindo. "Ladies and gentlemem, The Rolling Stones!" e vem o riff inconfundível de "Start me up".
__________________________

"Tumbling Dice", "Angie", "Like a rolling stone", "You got the silver" e tantas outras músicas. Pena que não consegui curtir em paz. Foi só eu ficar parado, cantarolando as canções, que eles começaram a se aproximar. Eles, os cambistas. O primeiro veio. "Ingresso, irmão?". Pensei em dizer algo para o afastar. "Não, só tenho cinquenta reais aqui". Menti. Lembrei que o mais barato, que eu tinha ouvido, estava na casa dos quatrocentos reais. "Pô, eu teria vergonha de falar isso", provocou. Várias respostas me passaram pela cabeça: "Você sabe quantas pessoas adorariam ter cinquenta reais agora?", "Você sabe o que posso fazer com cinquenta reais?" ou "Esse ingresso vai morrer na tua mão e você vai lembrar de mim". Mas dei ao sujeito o que julguei ser a melhor. "Você é o cambista e eu é que tenho que ter vergonha?". Depois dessa, não restou nada pra ele a não ser ir pra longe, bem pra longe.
__________________________

Felicidade de pobre dura pouco, eu sei. Ouvindo a curtindo o som claro dos Stones, passei a ser interrompido por pedintes. Era dinheiro pra isso, dinheiro pra aquilo. Eu só não disse que tinha apenas cinquenta reais porque eles poderiam responder: "Pô, eu teria vergonha de falar isso".
__________________________

Em "Midnight Rambler", lembrei que a vida, a nossa vida, continua. Peguei o ônibus antes que tocassem "Jumping Jack Flash", "Brown Sugar" e "Gimme Shelter". Senão, eu não responderia por mim.

_________________________

Fotos aqui: http://camnamao.blogspot.com.br/2016/02/o-outro-lado-do-show-dos-stonesrj181920.html











Reconhecimento

tem um bando de maluco solto por aí se reconhecendo
eles vestem uns negócios
eles falam uns trecos

quando se cruzam
se olham
como se dissessem

você também!
não finge não!

quando se reúnem
estão todos em casa

você também!
não finge não!

Lição

a santinha deve aprender com a puta
a melhor forma de dar é dando
e não ficar dando desculpa

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Interior

a cidadezinha do interior escreve sua história a lápis
a cidadezinha do interior tem um olho no papel e outro na borracha e outro na porta e outro na janela e outros espalhados
a cidadezinha do interior altera a própria caligrafia no escorregar gélido da mão
a cidadezinha do interior autentica mentiras no cartório viciado onde verdades do passado são retalhadas

a cidadezinha do interior passava a mão nas partes íntimas e cheirava e gostava mesmo com mamãe dizendo que é feio
a cidadezinha do interior se escondia com o primo e um se descobria na novidade do outro
a cidadezinha do interior pegava no piruzinho dos meninos na escola
a cidadezinha do interior jogava o estojo no chão pra ver a calcinha das meninas
a cidadezinha do interior logo aprendeu o porquê de matarmos aula

a cidadezinha do interior cresce sufocada por dentro da calça
a cidadezinha do interior peca no sábado pra ir à igreja no domingo porque vem outro sábado aí
a cidadezinha do interior imagina o que há por baixo da batina do padre e o que acontece na sacristia
a cidadezinha do interior mergulha nua no cálice de vinho das aparências
a cidadezinha do interior quer confessar que não quer confessar

a cidadezinha do interior são os olhares do chefe pra estagiária
a cidadezinha do interior é a ordem da patroa pro adolescente em seu primeiro emprego
a cidadezinha do interior sabe tudo
a cidadezinha do interior não perdoa
a cidadezinha do interior é ou me come ou tá na rua
a cidadezinha do interior é ou dá pra mim ou tá na rua
a cidadezinha do interior trabalha

a cidadezinha do interior forja documentos históricos
a cidadezinha do interior usa peruca e bigode postiço na foto da carteira de identidade
a cidadezinha do interior fala baixinho
a cidadezinha do interior vai pelos cantos
a cidadezinha do interior não faz escândalo
a cidadezinha do interior ganha no sotaque

a cidadezinha do interior é pra quem tem interior
a cidadezinha do interior é grande demais pra tanta pequenez